Disfunção Temporo Mandibular

Marque os sintomas que estão presentes em seu dia a dia:

Este teste possui mero interesse de esclarecer sobre o problema da DTM. O adequado diagnóstico somente é possível pessoalmente.













Ver resultado!

A DTM raramente será causada por apenas um fator. Geralmente a união de fatores, aliada a intensidade de cada um e o tempo em que a agressão ocorre, é que dará origem e condições de avanço no quadro da doença.

Entre os principais fatores causadores e agravadores de DTM temos:

  • Mastigar mais de um lado do que do outro;
  • Dormir do mesmo lado forçando lateralmente a mandíbula;
  • Dentes fora de posição;
  • Perda de dentes sem instalação de próteses;
  • Próteses instaladas de modo insatisfatório;
  • Placas flexíveis (de silicone ou matérias semelhantes);
  • Placas instaladas por profissionais sem conhecimento técnico para tal;
  • Mascar chicletes diariamente e por muito tempo;
  • Possuir estalo na abertura e fechamento e manter os mesmos hábitos de alimentação e movimentação da mandíbula;
  • Ranger os dentes enquanto dorme;
  • Apertar os dentes durante o dia ou durante a noite;
  • Efetuar movimentos agressivos à articulação de modo repetitivo e diário, nestes casos muito relacionados à ocupação do portador de DTM, dentre outros...

Genética – mesmo diante de fortes agressões, existem pessoas cujo organismo possui maior resistência e não desenvolvem a DTM.

ATM é a abreviatura de "Articulação Temporo Mandibular”. Essa articulação situa-se logo à frente do ouvido e é responsável pelos movimentos executados pela mandíbula.
O principal indicativo de uma alteração na ATM é o estalido (clique), normalmente acompanhado de dor que se manifesta na cabeça, face, pescoço, olhos e dentes. A ausência de dor não é sinal de normalidade. O estalido (clique) por si só, já traduz problemas nas ATMs.
Toda e qualquer doença necessita de mais de um fator para sua ocorrência. O fator principal deve ser acompanhado dos fatores que contribuem, modificam ou perpetuam a doença. No caso da disfunção das ATMs, acredita-se que o fator principal seja a maloclusão (relacionamento inadequado entre os dentes da maxila e mandíbula), sendo o “stress”, os hábitos para funcionais e algumas doenças sistêmicas ou hormonais capazes de contribuir, modificar ou perpetuar o seu aparecimento. Contudo, sabe-se que a ordem dos fatores principais e secundários pode alterar-se, havendo diferentes pesos no julgamento de quem é o agente iniciador da disfunção.

Entre as faces articulares dos ossos que compõem as ATMs (osso temporal e côndilo da mandíbula), existe uma estrutura fibrocartilaginosa chamada disco articular, cujas principais funções são amortecer e amolar as superfícies ósseas incongruentes da articulação, evitando trauma e desgastes prematuros.

Quando o disco articular se desloca de sua posição fisiológica, acontece o estalido (clique), notado nos movimentos mandibulares, tais como: falar, mastigar, cantar, bocejar etc..

As dores de cabeça provenientes das disfunções de ATM, em geral, não são propriamente de cabeça: são dores nos músculos que envolvem a cabeça. Posições posturais viciosas, relacionamento dental inadequado, ranger de dentes associados ao “stress”, normalmente culminam em quadros crônicos de dores nos músculos da face, da cabeça e do pescoço.

A proximidade entre a ATM e o ouvido pode ocasionalmente confundir o paciente sobre o local de origem da dor. Na realidade, a dor de ouvido é diferente da dor de ATM. Como diagnóstico diferencial, as disfunções de ATM não manifestam febre, não eliminam secreção pelos ouvidos e não são acompanhadas por quadros infecciosos das vias aéreas superiores.
Sim. O "encaixe dental" (oclusão) é responsável pela posição do côndilo (cabeça da mandíbula) dentro da articulação. Forçar os dentes mais para frente, para trás ou para os lados traz consequências para as ATMs. O ideal é que a oclusão tenha um relacionamento adequado, para manter côndilo e disco articular harmônicos e bem posicionados entre si, a fim de que a articulação seja saudável.
Promover uma oclusão dentária que permita um bom relacionamento entre as estruturas da ATM e remover os fatores que possam estar associados ao problema.
A disfunção temporo mandibular é uma doença que, depois de instalada, é quase sempre progressiva. O que não se consegue determinar com exatidão é a sua velocidade de progressão e as suas consequências. Portanto, o ideal é o tratamento precoce, que certamente proporciona melhores soluções e resultados.

É comum que portadores de DTM somente procurem nosso serviço após longo tempo em tratamento com profissionais de outras especialidades. Isso acontece porque há muitos profissionais tentam resolver o problema dentro de seu próprio campo de conhecimento.

Para se ter resultado no tratamento da DTM, não basta tratar a dor, pois ela é a manifestação de um problema que pode estar muito longe dali. Primeiro devemos localizar e combater as causas para então atuar sobre consequência (dor, estalo, etc...), de modo focado e quando necessário com atuação em paralelo de profissionais de outras áreas da saúde.

Principalmente as dores de cabeça laterais (músculo temporal) e as dores na fronte, são comumente confundidas com enxaquecas e problemas afins. A dor lateral de cabeça é característica da DTM e a dor mais comumente encontrada, ou seja, quando está presente, o diagnostico de DTM é praticamente certo. Além desta dor, o modo mais simples de suspeitar de DTM é verificar se outros sintomas estão presentes.
Estalos geralmente não vêm dos ouvidos, mas da própria articulação que funciona logo a frente do mesmo. Problemas como zumbidos, chiado, ouvido tampado, problema de labirinto e dor de ouvido, estão normalmente associados à DTM. Basta avaliar a existência de outros sintomas característicos.
Dores no ombro são normalmente confundidas com bursites. Assim como dores na cervical, mais propriamente no músculo de nome “Platisma” que irradia a dor à região do osso chamado “Escápula”, também devem ser relacionados a outros sintomas para não serem por longo tempo e sem resultados satisfatórios, tratados sem o acompanhamento do especialista em DTM.
Dores na nuca são comumente confundidas com problemas de pressão arterial.
A dor crônica não tratada pode levar a pessoa a quadros de stress e depressão que agravam ainda mais o problema.
Durante o tratamento com nosso especialista em DTM, pode haver a necessidade de se livrar de hábitos nocivos e conseguir corrigir algumas condutas, afim de proporcionar melhor qualidade de vida.
Alguns hábitos na fala e deglutição também podem ter a necessidade de serem corrigidos.
Existem vários exercícios que funcionam como coadjuvantes no tratamento articular e que muito auxiliam nos resultados.
Usada tanto para auxiliar no tratamento das dores como no controle dos quadros emocionais. Também pode atuar como coadjuvante no tratamento articular.
Os dentes mal posicionados podem ser um dos fatores causadores de DTM, mas atenção, é necessário corrigir a posição articular antes de se colocar o aparelho, caso contrário existe o risco do aumento das dores e/ou de que os dentes sejam alinhados em uma posição articular pouco ideal.
Importante colocar dentes onde faltam, assim como efetuar ajustes na oclusão após o tratamento articular.
Importante manter a constante saúde bucal de modo que não existam fatores que incomodem o portador do problema, uma vez que estes fatores podem levar o mesmo a usar inadequadamente sua mandíbula.